Tratamento para osteoporose em Goiânia

Osteoporose é muito comum!

A osteoporose é o distúrbio osteometabólico mais comum. Acomete mais de 200 milhões de mulheres no mundo todo. É mais comum no sexo feminino, cerca de 80% dos casos. Uma a cada 04 mulheres com mais de 50 anos desenvolve a doença. No Brasil, a cada ano, ocorrem cerca de 2,4 milhões de fraturas decorrentes da osteoporose.

Osteoporose não dói.

Na verdade, a osteoporose é uma condição em que os ossos se tornam mais frágeis e propensos a fraturas. No entanto, ela não causa dor antes que uma fratura ocorra. É muito comum haver confusão entre “osteoporose” e “artrose”. A artrose é uma condição em que se observa desgaste da cartilagem de uma junta (articulação), tornando os movimentos mais dolorosos e limitados. Uma mesma pessoa pode ter osteoporose e artrose ao mesmo tempo, mas essas duas doenças têm critérios diagnósticos e tratamentos distintos.

É uma causa comum de fratura.

A osteoporose é, sem dúvida, a causa mais comum de fraturas em idosos e mulheres após a menopausa. A osteoporose não tratada evolui com perda progressiva da resistência óssea. As fraturas mais comuns nesses pacientes são: vértebras, fêmur, úmero e rádio. É importante salientar que as fraturas do fêmur podem ser uma causa significativa de sofrimento e mortalidade.

Diagnóstico

O método mais usado para diagnóstico de osteoporose é a densitometria óssea. Todas as mulheres com mais de 65 anos e homens com mais de 70 anos devem fazer a densitometria óssea anualmente. Mas atenção: mulheres pós-menopausa mais jovens e homens com idade entre 50 e 70 anos, que possuam algum fator de risco a seguir, também devem fazer a densitometria óssea.

Fatores de risco para osteoporose:

Além da menopausa e do envelhecimento, existem outros fatores de risco para osteoporose. São eles: raça branca, etilismo, tabagismo, vida sedentária, baixa ingestão de cálcio, deficiência de vitamina D, uso crônico de corticoide, distúrbios hormonais (hipertireoidismo, hiperparatireoidismo, doença de Cushing, e deficiências de hormônios sexuais), história familiar de osteoporose e/ou fratura de fêmur.

Prevenção

O risco de desenvolver osteoporose pode ser reduzido através de algumas medidas preventivas, como: ingestão adequada de cálcio, exposição solar adequada e reposição de vitamina D, além da prática regular de atividade física. É importante lembrar que essas medidas devem ser incentivadas desde a infância, para a formação de ossos fortes (massa óssea adequada).

Tratamento:

Existem algumas medicações que podem interromper a perda óssea e evitar a piora da osteoporose. É importante associar as medidas preventivas ao tratamento medicamentoso da osteoporose para melhores resultados.

Por que escolher o Dr. Fernando Ferro?

Escolher o Dr. Fernando Ferro para suas necessidades ortopédicas é optar por excelência, experiência e comprometimento com o bem-estar dos pacientes. Com formação sólida na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e especializações em instituições de renome como o Hospital das Clínicas da USP e o Steadman Clinic nos EUA, o Dr. Ferro traz consigo um vasto conhecimento em Ortopedia e Cirurgia do Quadril. Sua abordagem cuidadosa e personalizada, aliada ao uso das mais avançadas técnicas e tecnologias, assegura resultados eficazes e uma recuperação mais rápida.

Dr. Fernando Ferro | Cirurgia do Quadril em Goiânia

Dr. Fernando Ferro

Ortopedista especializado em Cirurgia do Quadril

Membro do Corpo Editorial da revista Arthroscopy.
Membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT).
Membro da Sociedade Brasileira de Quadril (SBQ).